CLICK HERE FOR BLOGGER TEMPLATES AND MYSPACE LAYOUTS

translator

domingo, 20 de fevereiro de 2011

Camafeu de Oxossi

1980 - Berimbau




Solista de berimbau, cantor. Ápio Patrocínio da Conceição, andarilho do Pelourinho, é um homem de sorte. Tanto no jogo, quanto no amor, daí o nome Camafeu. Ele nasceu no dia 04 de outubro de 1915, no bairro do Gravatá, em Salvador, e se criou no Pelourinho. Filho de Faustino José do Patrocínio e Maria Firmina da Conceição. Seu pai era mestre-pedreiro, descendente de africano. Conviveu com ele até os sete anos. Sua mãe veio de Camamu, era negociante de tabuleiro. Negociava frutas, doces, acarajé, tudo na Baixa dos Sapateiros. Sua mãe teve 16 filhos. Ele, Raimundo e João, cada um de um pai. Como ficou órfão de pai aos sete anos, seu padrasto dava mais atenção ao Raimundo. Não suportando aquilo, resolveu sair de casa. De menino de rua que passou fome e perdeu toda a família, estudou na Escola de Aprendiz de Artífice, trabalhando na fundição, vendeu cordão de sapato (cadarço) na porta do Elevador Lacerda. Dali passou para o passeio do Mercado Modelo como engraxate, além de vender os jornais de modinha nas feiras de Água de Meninos, Dois de Julho e Sete Portas. Saiu de lá para ser marítimo e foi parar na Estiva - Companhia Docas da Bahia até se tornar proprietário da famosa barraca de São Jorge, no velho Mercado Modelo, e de um restaurante de fama internacional.


http://2.bp.blogspot.com/_qHG-uuhDXy4/TPz1aT7gQ2I/AAAAAAAAAUM/-z0ZAM8SOjs/s1600/Camafeu+e+JAmado2.jpgA música entrou em sua vida desde garoto. Foi criado na roda de samba, tocando berimbau, ensinando aos turistas como tocar o instrumento. Era um homem de muitas palavras, casos e lendas para contar. Chegou a ser diretor das escolas de samba Só Falta Você, Deixa Pra Lá, Gato Preto, onde aproveitava para cantar seus sambas. No Mercado Modelo ele começou a cantar música de capoeira e ijexá, tocando berimbau e atraindo a clientela. A partir daí começou a fazer sucesso. Na sua Barraca São Jorge, aberto em riso, cercado de objetos rituais de obis e orobôs, ele ensinava os mistérios da Bahia. Na década de 60, a Universidade Federal da Bahia criou o curso de língua ioruba e Camafeu foi um dos primeiros alunos. Foi convidado para ir à África, representando a Bahia no Primeiro Festival de Arte Negra do Senegal, junto com Pastinha e outras pessoas. Lá ele cantou em iorubá para Oxum e para Oxómi. Sobrinho de Mãe Aninha e filho-de-santo de Mãe Senhora, o obá de Xangó do terreiro Axé Opô Afonjá esbanjou alegria. Figura baiana conhecida em todo o Brasil, personagens de muitos livros de Jorge Amado (Tereza Batista, Dona Flor, Tenda dos Milagres, Tieta do Agreste, entre outros) de quem era amigo particular. Seu nome está presente em dezenas de músicas: aquela que diz “Camafeu, cadê Maria de São Pedro”, gravada por Martinho da Vila, outra gravada por Maria Alcina e também o conjunto Os Originais do Samba gravou um samba em sua homenagem.

Tocador de berimbau, batuqueiro, ex-presidente dos Filhos de Gandhi, Camafeu de Oxossi gravou dois discos, um deles Berimbau da Bahia com os cantos de capoeira mais belos, alguns velhos do tempo da escravidão ou da Guerra do Paraguai: “Volta do mundo, ê!/volta do mungo, ah!/ Eu estava lá em casa/sem pensá, sem maginá/e viero me buscá/para ajudar a vencê/a guerra do Paraguá/camarado ê/camaradinho/camarado...”. Esses cantos estão cheios de lembranças da vida dos escravos: “No tempo em que eu tinha dinheiro, camarado ê, comia na mesa com ioiô, deitava na cama com iaiá... Depois que dinheiro acabou, mulher que chega prá lá, camarado. camaradinho ê....”. Contam da guerra, da escravidão, das lutas dos negros. Outros são improvisados no repente da brincadeira e, repetidos, permanecem e se tornam clássicos: “Bahia, minha Bahia,/Bahia do Salvador,/Quem não conhece capoeira/Não lhe pode dar valor//Todos podem aprender/General e até doutor”. Com o tempo, a voz rouca não cantava mais, porém se emprestava a histórias e nomes com quem conviveu numa cidade que não existe mais.

“No mercado, em meio a seus orixás, aos colares e às figas, queimando o incenso purificador, rindo sua gargalhada, saudando São Jorge. Oxóssi, rei de Ketu, o grande caçador. Camafeu comanda a música, o canto e a dança. Um baiano dos mais autênticos, um dos guardiães da cultura popular. Homem que possui o saber do povo, um desses que preservam o passado e constróem o futuro”, segundo Jorge Amado no livro Bahia de Todos os Santos. E diz mais: “Compositor, mestre solista de berimbau, obá de Xangô, Osi Obá Aresá, filho de Oxóssi, preferido de Senhora, amigo de Menininha e de Olga de Alaketu, o riso cortando o rosto, dono da amizade. Em sua barraca, em prosa sem compromisso, numa conversa largada como só na Bahia ainda existe, sem horário e sem obrigações temáticas, podem ser vistos o pescador, a filha-de-santo, o pintor Carybé, o passista de afoxé, o Governador do Estado, o compositor Caymmi, a turista loira e esnobe, a mulata mais sestrosa e Pierre Verger, carregado de saber e de mistério. A barraca de Camafeu é ponto de reunião, é mesa de debates, é conservatório de música. Na cidade do Salvador a cultura nasce, se forma e se afirma em bem estranhos lugares, como por exemplo, uma barraca do mercado (...) lá se vai Camafeu pelos caminhos da Bahia, invencível com seu santo guerreiro. Vir à Bahia e não ver Camafeu é perder o melhor da viagem. Ele é um obá, um chefe, um mestre”.

Um ritual religioso marcou no dia 27 de março de 1994 o sepultamento de uma das figuras mais conhecidas da Bahia: Apio Patrocínio da Silva, o Camafeu de Oxossi. O enterro foi no Cemitério da Ordem Terceira do São Francisco, e contou com a presença de vários amigos e admiradores daquele que era uma das maiores autoridades do culto afro-brasileiro na Bahia. Camafeu ficou conhecido não só como proprietário de um dos mais famosos restaurantes de comidas típicas da Bahia, localizado no Mercado Modelo, como também pelo posto Obá de Xangô, que ocupava no Terreiro Ilê Axe Opô Afonjá. Era querido pelas principais mães-de-santo da Bahia e amigo de Dorival Caymmi, Jorge Amado e Gilberto Gil. Doente há muito tempo, Camafeu foi vencido por um câncer na garganta e faleceu no Hospital Aristides Maltez, aos 78 anos.


* Fonte: http://blogdogutemberg.blogspot.com/2007/02/camafeu-de-oxossi.html


Related Posts with Thumbnails

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Originais do Samba


Originais do Samba 1976 - Pra que tristeza

Mais um clássico do samba!

01 - Saudade e Flores (Adeílton Alves / Nilton Pereira de Castro)
02 - Samba do "Arnesto" (Adoniran Barbosa / Alocin)
03 - Cabeça Que Não Tem Juízo (Aloísio)
04 - Tragédia no Fundo do Mar (Assassinato do Camarão) (Zeré / Ibrain)
05 - Pra Que Tristeza (Delcio Carvalho)
06 - Mulata Faceira (Martinho da Vila)
07 - Boato (Carlos Geraldo / B. J. Aroldo / Netinho)
08 - Canto de Amor (Delcio Carvalho / Barbosa da Silva)
09 - Buchicho (Luis Carlos / Murilo Penha "Bidi")
10 - Complicação (Murilo Penha "Bidi" / Mussum / Luis Carlos)
11 - Quem Me Dera (Beto Scala / São Beto)
12 - Não Sei de Nada (Wando)



Related Posts with Thumbnails

Originais do Samba - Alegria de sambar (1975)


.

Originais do Samba
Alegria de sambar (1975)






01 - Confidências de um sambista (Neylda Leão - Silvio Modesto)
02 - Calango do Seo Tibúrcio (Edil Pacheco - Paulo Diniz)
03 - Pot-pourri de Benito di Paula:
Retalhos de cetim
Se não for amor
Charlie Brown
Quero ver você de perto
Além de tudo
04 - Velhos tempos (Franco Dilano)
05 - O bom do lugar (Cayon - Ângelo Antônio)
06 - É ouro só (Almir, Mussum)
07 - De álcool ou poesia (Beto Scala - São Beto)
08 - Cresça e apareça (Hélio Mariano)
09 - A dona do primeiro andar (Lucas - Luiz Carlos)
10 - Mexe-mexe (Otacilio - A.A.Souza)
11 - Os cabras de Lampião (Clayton)
12 - Vou tirar a roupa (Édson - Nazareno)
13 - Mulher ingrata (Jésus Rocha - César Costa Filho)
14 - As mariposas (Adoniran Barbosa)


download (mediafire)


Arranged by:
Wilson Mauro (9,12)
Messias St. J (1,2,6,11)
Ted Moreno (4,14)
Elcio Alvarez (3,5,13)
José Briamonte (7,8,10)

Originais do Samba:
Bidi - cuíca, voice
Chiquinho - ganzá, voice
Lelei - tamborim, voice
Mussum - reco-reco, voice
Rubão - surdo, voice
Bigode - pandeiro, voice
Zeca do Cavaco - cavaco, banjo
Sócrates - guitar
Rubinho Lima - percussion
Valtinho Tato - percussion
Gigi - reco-reco, tamborim

Related Posts with Thumbnails

terça-feira, 15 de fevereiro de 2011

Tribo Massáhi (Raridade)

Tribo Massáhi - Estrelando Embaixador (1972)






















Faixas:
01. Timolô, Timodê (1 - Walk By Jungle, 2 - Fareua, 3 - Harmatan, 4 - Dandara)
02. Lido´s Square (1 - Pae João, 2 - Menina Da Janela, 3 - OAN, 4 - Madrugada Sem Lua
r)


DOWNLOAD!

Disco com apenas duas longas faixas em estilo jam, com quatro temas cada uma. Um misto de soul, ritmos latinos e africanos, com um clima lisérgico tão comum à época.

Quem tiver maiores informações, por favor, me mande.

Arquivos gentilmente cedidos por brnuggets.blogspot.com


Related Posts with Thumbnails

Grupo Cata Luzes

Viagem Cigana (1983)






















Faixas:
01. Maracujaba
02. Ilhas - Olhos
03. Cheiro da Terra
04. Cantata para os Plebeus
05. Dança dos Vivos
06. Um Direito que Assiste
07. Fardo d
e Léguas
08. Vida Cigana
09. Destino dos Retirantes
10. Festas da Xica



Até 1970 a música popular sergipana praticamente não existia. Não se produzia discos e ela se limitava a alguns intérpretes dos ritmos ouvidos em todo Brasil à época: boleros, chorinhos e muita música romântica e saudosista.

É no final da década de 70 e início dos anos 80, que começa a surgir um sentimento ufanista em Sergipe em relação à música. Desenvolve-se o conceito de música popular sergipana, que traz a idéia de uma música autêntica de Sergipe.

As décadas de 70 e 80 foram marcadas por grandes Festivais de Música no Brasil, valorizando a música popular brasileira e revelando grandes artistas. Sergipe também acompanhou este movimento, pois, além dos Festivais Nacionais, havia vários outros festivais regionais e estaduais dos quais os artistas participavam. Além disso, Sergipe também teve seus festivais, e um dos primeiros que entraram para a história foi o FMPS - Festival de Música Popular Sergipana, na década de 80, cujo primeiro vencedor foi o grupo Cata Luzes.

Intimista, a música popular sergipana surgiu nos anos 1980. Ufanista, a música produzida optou por temas sempre ligados à cultura, aos aspectos físicos e naturais do Estado, ou simplesmente, à situações ou pessoas do lugar, como pode ser notado em trabalhos do grupo Cata Luzes, além dos cantores Paulo Lobo, Lula Ribeiro e Irineu Fontes.

De acordo com o vocalista, compositor e violonista do grupo, Cláudio Miguel Menezes de Oliveira, o Cata Luzes possuía quatro integrantes, além dele também fazem parte do grupo os músicos: Antônio Amaral (letrista e percussionista), José Amaral (vocalista e percussionista) e Valdefrê (compositor, violonista e vocalista).

Conforme informou, antes do Cata Luzes existir, um grupo de músicos se reuniu para participar de festivais. “Somente em 1982 foi criado o Cata Luzes”, disse, ao acrescentar que a gravação do primeiro disco do grupo ocorreu em 1983, no Rio de Janeiro. Intitulado Viagem Cigana, o LP contou com a participação de Paulo Moura (maestro e arranjador), Jaques Morelenbaum, Joel Nascimento, Túlio Mourão, entre outros músicos.

Cláudio Miguel revelou que o estilo musical do Cata Luzes não é regional. “A única música nossa que tem traço regionalista é a Cheiro da Terra, que é considerado um baião estilizado”, comentou.

DOWNLOAD!

Texto adaptado dos sites Portal de Sergipe e Informe Sergipe

Agradecimentos mais do que especiais a Brazilian Nuggets, por fornecer os arquivos do disco.
Related Posts with Thumbnails

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

J. Period, John Legend & The Roots – Wake Up! Radio


Mais uma mixtape sensacional do J. Period. O esquema é no formato de um programa de rádio com Black Thought como apresentador e Mc, acompanhado de John Legend, fazendo tributo a gênios da música soul como James Brown, Aretha Franklin, Nina Simone, Sam Cooke, Roy Ayers, Isaac Hayes e muitos outros. É uma continuação de “Wake Up!” lançado pelo cantor e banda em 2010. Mais aqui ainda juntam-se a eles vários mc’s lendários como Rakim, Q-Tip, Common, Posdnuos, Pete Rock & CL Smooth, além de nomes mais atuais como Kanye West, Blu, Nneka e K’naan. Remixes espetaculares com destaque pra “Dillanor Rigby”, (em cima do beat do J. Dilla que samplea “Eleanor Rigby”, dos Beatles, feito pro Guilty Simpson), Black Thought rimando em cima de “Walk On By” de Isaac Hayes, Common e Nina Simone em “Strange Fruit” e muitas outras. Pedrada do início ao fim!
Ouça alguns previews e faça o download da sua.

J. Period, John Legend & The Roots – Wake Up! Radio

01. Prologue: Inner City Blues feat. Black Thought & John Legend
02. Rise & Shine feat. Black Thought, Blu & John Legend
03. Wake Up! Radio (Interlude) feat. Black Thought
04. Hard Times (J.Period Remix) feat. Black Thought, John Legend & Dead Prez
05. Dolla Out A Dime (Interlude) feat. James Brown
06. In The Ghetto (Wake Up!) feat. Black Thought, Rakin & John Legend
07. Little Ghetto Boy (J.Period Remix) feat. Q-Tip, Black Thought, John Legend
08. We Love Roll Call (Interlude) feat. Nina Simone
09. Misunderstood feat. Common
10. Message In Our Music (Interlude) feat. Common & Mary J. Blige
11. Eleanor Ridgby (Interlude)
12. Dillanor Ridby (J.Period Remix) feat. Blu, Porn, Black Thought & John Legend
13. The Wake Up! Players Band (Interlude) feat. Questlove
14. Compared To What (Interlude) feat. Roberta Flack
15. Comapred To What (J.Period Remix) feat. John Legend
16. Pain & Inspiration (Interlude) feat. John Legend & Nina Simone
17. Strange Fruit (Remix) feat. Common, John Legend & Nina Simone
18. Who’s Gonna Take The Weight (Interlude)
19. Walk On (J.Period Remix) feat. Black Thought & Isaac Hayes
20. Could The Drumme Have Some (Interlude)
21. In The Park (J.Period Remix) feat. Black Thought
22. Our Generation (Interlude) feat. Ernie Hines
23. Our Generation (J.Period Remix) feat. John Legend, Pete Rock & CL Smooth
24. Give Me That Message (Interlude) feat. Sam Cooke
25. Hang On In There (J.Period Remix) feat. Black Thought & John Legend
26. The Love Doctor (Interlude) feat. Jimmy Fallon
27. Love The Way It Should Be (J.Period Remix) feat. Nneka
28. Hey Love (Interlude) feat. Posdnuos, Jimmy Fallon, Kanye West & K’Naan
29. Ease My Troubling Min (Interlude) feat. Sam Cooke
30. People Get Ready (J.Period Remix) feat. Aretha Franklin
31. Wake Up! Radio Sign-Off (Outtro)
32. Epilogue Wake Up, Everybody! feat. Mayda Del Valle


Clique aqui para Download Jah

Related Posts with Thumbnails